Como reduzir o excesso de tecnologia no ambiente de trabalho.

Uma das habilidades mais críticas hoje é lidar com o excesso de tecnologia no ambiente de trabalho e ser capaz de colaborar efetivamente com outros profissionais através de ferramentas digitais.

Com a ajuda da tecnologia, as empresas estão transformando a forma como trabalham, enxergando oportunidades de serem mais eficientes e produtivas e contando cada vez mais com profissionais que têm conhecimento sobre o que funciona (e o que não) nas operações diárias.

A transformação digital reinventou as dicas para uma boa comunicação no trabalho e tornou a automação de processos de negócio uma realidade diária. Em outras palavras, as ferramentas que usamos se tornaram partes indispensáveis do nosso trabalho e da nossa vida.

Mas, já dizia Dona Jura: “não é brinquedo não!”

Para o bem ou para o mal, a nossa conexão às ferramentas de trabalho 24 horas por dia, 7 dias por semana, nos afeta negativamente, pois não estamos lidando de forma saudável com essa situação. Há indícios de que estamos vivenciando um excesso de tecnologia. Uma pesquisa de 2018 sobre ambientes de trabalho mostrou que 73% das pessoas que trabalham na Austrália estão constantemente conectadas à tecnologia e sentem que não podem se desligar dela completamente (o que causa um alto nível de estresse tecnológico).

Se não revisarmos a situação pensando em mais equilíbrio, a relação entre tecnologia no ambiente de trabalho e humanos pode se deteriorar mais — e isso terá um impacto tanto para quem trabalha quanto para quem emprega.

A expectativa sobre os benefícios da introdução de novas ferramentas no local de trabalho é muito alta. E isso é perfeitamente compreensível. Ao separar um orçamento, eles esperam que o software comprado e as ferramentas digitais de colaboração sejam usadas para economizar tempo e otimizar a performance em geral.

Contudo, a realidade é que muitas pessoas que deveriam estar usando essas ferramentas diariamente são céticas e veem a automação como uma ameaça direta aos seus papéis. O medo de que os robôs assumam a maioria das funções atualmente realizadas por humanos cresce normalmente quando as empresas são negligentes em fornecer o apoio e o treinamento necessários para aprender como essas ferramentas de fato ajudarão, de fato, a melhorar o trabalho.

Quanto mais incluímos a tecnologia no ambiente de trabalho (e em nossas vidas), e quanto menos entendemos o valor de implementar soluções chaves nos processos internos, mais tensa se torna a nossa relação com a tecnologia.

Se não fornecermos os recursos para esse entendimento, como com uma base de conhecimento, por exemplo, nós acabamos ignorando esse processo, o que gera resistência ao aprendizado e estresse.

Fonte:
https://blog.trello.com/br/tecnologia-no-ambiente-de-trabalho?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=trello-br_newsletter

Deixe uma resposta